Um olhar brandiano em Peter Zumthor: arquitetura e intervenção

Maria de Betânia Uchôa Cavalcanti Brendle

Resumo


Sensibilidade e delicadeza, qualidades cada vez mais raras na produção da arquitetura contemporânea e no trato das estruturas urbanas e tectônicas passadas remanescentes no tecido construído da cidade do século XXI. Arquitetura reduzida (promovida?) a cenários burlescos onde se caricatura espetáculos mediáticos formais gerados a partir do supérfluo, do imagético e do grandioso que desvirtuam e distorcem as  necessidades e qualidades essenciais da vida humana. Hoje a produção da arquitetura responde cada vez menos às necessidades programáticas, tecnológicas e funcionais, ao genius loci, à aura, espiritualidade e atmosfera do lugar. Neste artigo percorre-se três obras de Peter Zumthor que remetem às  arquiteturas cuja deferência com a paisagem natural e construída e com fragmentos de épocas passadas as  legitimaram a tornar-se parte indivisível do lugar onde passaram a existir.

 


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INDEXADORES: DOAJ | Diadorim | REDIB | Latindex | Sumários.org | ERIHPLUS | CiteFactor | MIAR

Licença Creative Commons