Edifícios Institucionais Modernos em Florianópolis

Luiz Eduardo Fontoura Teixeira, Gilberto Sarkis Yunes, Rafaela Regina de Souza

Resumo


O artigo analisa as edificações institucionais do período moderno em Florianópolis, identificando suas manifestações e impactos na época de sua produção, entre 1930 e 1980. Estas obras encontram-se distribuídas em três ciclos temporais: o primeiro definido pela inserção do ideário modernista e de coexistência de diversas linguagens arquitetônicas; o segundo pela difusão do modernismo, influenciado por outras experiências brasileiras; e o terceiro pela verticalização e sofisticação tecnológica, com a expansão do uso do concreto armado. A pesquisa define espacialmente cinco setores do município onde os exemplares estão situados. Estes configuram centralidades urbanas, demonstrando que o investimento público claramente condicionou a ocupação. Constata-se ainda a presença de 32 edifícios, sendo7 originários de instituições federais, 18 do poder estadual, 2 municipais e 5 de outras categorias. Suas novas tipologias, resultantes formais e espaciais, inseridas na paisagem e no contexto dos diferentes tempos da cidade marcam atualmente regiões e lugares, proporcionando a leitura destes exemplares como artefatos remanescentes de um período em que a cidade teve um grande ideal: modernizar-se e adotar espaços e serviços públicos como imagem da nova qualidade pretendida para a capital.

 


Palavras-chave


modernidade; arquitetura institucional; concreto armado; Florianópolis

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

InSitu – ISSN 2446-9696

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | Latindex | REDIB | CiteFactor | ERIH PLUS

Licença Creative Commons