Por Unidades Habitacionais ou pela Moradia Urbana? Avaliação de empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida na cidade do Rio de Janeiro

Maria Paula Goncalves Lysandro de Albernaz, Luciana da Silva Andrade

Resumo


Este artigo apresenta uma análise sobre um complexo de condomínios situado na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, implantado no âmbito do Programa Minha Casa, Minha Vida, voltado à faixa de renda mais baixa da população. O foco são os espaços criados pelo projeto arquitetônico-urbanístico confrontados com perfil e necessidades dos residentes. A pesquisa tem como premissa perceber o espaço habitacional da população pobre como um espaço com potencialidades e dificuldades, avaliando que independente das questões de localização há inaceitáveis problemas associados às opções projetuais, incluindo escolha de modelo e tipologia que constroem uma cidade mais segregada e fragmentada. Impõe-se um debate sobre qualidades físico-espaciais na habitação de interesse social e a importância da moradia que proporcione abertura para inclusão social e urbana. A expectativa é fornecer subsídios para políticas de reabilitação dos empreendimentos já executados, e aumentar as chances para produção mais consequente da moradia popular.

Palavras-chave


habitação; direito à cidade; Programa Minha, Casa Minha Vida; cidade do Rio de Janeiro

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INDEXADORES: DOAJ | Diadorim | REDIB | Latindex | Sumários.org | ERIHPLUS | CiteFactor | MIAR

Licença Creative Commons