Cidade para pessoas: caminhabilidade, forma urbana e diagnóstico da R. 25 de Março

Maira Brigite Moraes Pelissari, Helena Napoleon Degreas

Resumo


Esse projeto de pesquisa tem como objeto de estudo a R. 25 de Março em São Paulo, Brasil, e sua adequação ao atual fluxo de pessoas e uso comercial e é parte integrante do projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção, gestão e apropriação do Programa de Mestrado profissional em Urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário. Durante o desenvolvimento das atividades vinculadas ao Escritório Modelo ao longo do 2º semestre de 2016 foram aplicados os métodos de “observação urbana” (Jan Gehl) e de pesquisa colaborativa sob a orientação do Organização Social Cidade Ativa e que tem por princípio o desenvolvimento de projetos a partir da construção coletiva, de respeito à escala humana e da integração e conectividade entre os ambientes internos ao edifício e a rua. A partir dessas premissas foram desenvolvidas as pesquisas, tabulados os dados, gerado o relatório e por fim, realizadas as propostas de projeto urbano com a devida revisão de fluxos de meios motorizados e não motorizados e criação de mobiliário urbano como solução para a região. Essa pesquisa pretende descrever, comparar e avaliar os resultados obtidos em campo numa proposta concreta e passível que atenda todos os usuários da região.


Palavras-chave


Caminhabilidade; Desenho Urbano; Active Design; R. 25 de Março; observação urbana.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL (2012). Lei nº 12.587, de 3 de janeiro de 2012: institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; Brasília: Presidência da República.

BRASIL (2015). Decreto nº 56.834, de 24 de fevereiro de 2016: institui o Plano Municipal de Mobilidade Urbana de São Paulo – PlanMob/SP 2015. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo.

Cidade Ativa (2015): Formação Cidade Ativa no escritório modelo da Fiam Faam (2016). Recuperado em 2 fevereiro, 2016 de:

http://www.cidadeativa.org.br/single-post/2016/12/01/Forma%C3%A7%C3%A3o-Cidade-Ativa-no-escrit%C3%B3rio-modelo-da-Fiam-Faam

CNU (1996) Congresso do Novo Urbanismo. A Carta do Novo Urbanismo. Recuperado em13 junho, 2016. Disponível em:

https://www.cnu.org/…/defau…/files/cnucharter_portuguese.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE 2015. Região Metropolitana de São Paulo. Recuperado em 04 dezembro, 2016 de:https://www.emplasa.sp.gov.br/RMSP

Degreas H, Kaneko R, Leite G (2016) Mobilidade Urbana: o caminhar pela cidade de São Paulo, In: XI Colóquio QUAPA-SEL, Sistemas de Espaços Livres: Transformações e Permanências no Século XXI, Salvador.

Gehl J. (2015). Cidade para Pessoas. São Paulo: Perspectiva.

Gehl People: A New Heart for São Paulo. Disponível em:

http://gehlpeople.com/cases/sao-paulo-brazil/. Acesso: 2 de fevereiro de 2017.

Gehl People: A Better Experience in Central São Paulo. Recuperado em 2 de fevereiro de 2017 de

http://gehlpeople.com/blog/enjoyable-stay-central-sao-paulo/

Karsserberg H, et al (2015). A cidade ao nível dos olhos: lições para os plinths - dados eletrônicos. EDIPUCRGS, Porto Alegre, 64-68.

Irazabal, Clara (2001). Da carta de Atenas à carta do novo urbanismo. Qual seu significado para a América Latina? In: Arquitextos nº 019.3. São Paulo, Portal Vitruvius, dez. 2001. Recuperado em 18 junho, 2016 de

http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq019/arq019_03.asp

Keith, Trevor; DEL RIO, Vicente (2000). “New urbanism, dependência do automóvel, senso de comunidade. Um estudo comparativo de dois conjuntos residenciais na Califórnia”.

In: Arquitextos nº 042, Texto Especial nº 201. São Paulo, Portal Vitruvius. Recuperado em 18 junho, 2016 de http://www.vitruvius.com.br/arquitextos/arq000/esp201.asp

NYC - New York City Department of Transportation (2013) – Sustainable Streets: 2013 and Beyond. Recuperado em 18 junho, 2016 de:

http://www.nyc.gov/html/dot/html/about/stratplan.shtml

NYC (2013) – Active Design, Shaping the sidewalk experience. Recuperado em 2 fevereiro, 2017 de

https://www1.nyc.gov/assets/planning/download/pdf/plans-studies/active-design-sidewalk/active_design.pdf

Pelletier J, Delfante C. (1997). Cidades e Urbanismo no Mundo. Lisboa: Instituto Piaget.

Prefeitura do Município de São Paulo: gestão urbana SP (2016). Rede de Espaços Públicos: guia de boas práticas para os espaços públicos da cidade de São Paulo. Recuperado em 04 janeiro, 2017 de

http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/…/20161230_GBPEP_v…

Prefeitura do Município de São Paulo (2013). Centro, Diálogo Aberto. Recuperado em 15 janeiro, 2017 de:

http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/arquivos/brochura_cda_7_10_13.pdf

Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - Prefeitura do Município de São Paulo (2016). Zoneamento ilustrado: estratégias ilustradas. Recuperado em 03 janeiro,2017 de

http://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/marco-regulator…/…/

Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano - Prefeitura do Município de São Paulo. Plano Diretor Estratégico – PDE (2014)) – Lei nº 16.050/14.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

InSitu – ISSN 2446-9696

Indexadores: Sumários.org | Diadorim | Latindex | REDIB | CiteFactor | ERIH PLUS

Licença Creative Commons