PRODUZINDO LOCALIZAÇÕES E FRAGMENTANDO A CIDADE: SHOPPING CENTERS EM ESPAÇOS NÃO METROPOLITANOS

Eda Maria Góes

Resumo


As relações entre espaço e tempo são estruturantes da comparação proposta entre o Boulevard Londrina Shopping e o Shopping Iguatemi Ribeirão, cuja escolha se deveu a semelhanças evidentes, como a inauguração em 2013 e o direcionamento para consumidores de segmentos de classe média e elite, mas também às diferentes localizações, pericentral e periférica, respectivamente, reveladoras da capacidade do shopping center de instalar-se em qualquer lugar e de criar localizações. Assim, com base em características contraditórias, como homogeneidade e heterogeneidade, conexão e desconexão, liberdade e controle, os shopping centers vêm ampliando sua capacidade de estimular o processo de fragmentação socioespacial em cidades médias. Para criar localizações, empregam novas estratégias que só são possíveis em função da atração de grandes investidores, como o grupo Sonae Sierra e a rede Iguatemi, interessados no lançamento de grandes complexos que vão além dos shopping centers, mas estruturam-se a partir deles.


Palavras-chave


Shopping Center; Fragmentação Socioespacial; Cidades Médias; Londrina (PR); Ribeirão Preto (SP).

Texto completo:

PDF

Referências


Alonso, L. E. (2006). La era del consumo. Madrid: Siglo XXI.

Alonso, L. E. e Rodriguez, C. J. F. (2013). Los discursos del presente. Madrid: Siglo XXI.

Amorim, W. (2011). A produção social do espaço urbano em Londrina-PR: a valorização imobiliária e a reestruturação urbana, Dissertação (Mestrado em Geografia). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, São Paulo, Brasil.

Baudrillard, J. (1989). A sociedade de consumo. Lisboa: Ed. 70 [1970].

Caldeira, T. P. do R (2000). Cidade de muros. Ed.34 - Edusp. São Paulo.

Debord, G. (1996). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto [1967].

Garrefa, F. (2011). Shopping centers: de centro de abastecimento a produto de consumo. Senac. São Paulo.

Padilha, V. (2006). Shopping center: a catedral das mercadorias. Boitempo. São Paulo.

Pintaudi, S. M. (1989). O templo da mercadoria. Editora da UNESP. São Paulo.

Rifkin, J. (2000). La era del acceso. La revolución de la nueva economía. Paidós. Barcelona.

Sarlo, B. (2009). La ciudad vista. Siglo Veintiuno. Buenos Aires.

Sposito, M. E. B. (2007). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

InSitu – ISSN 2446-9696

Indexadores: DOAJLatindex ERIH PLUS | REDIB | Sumários.org | Diadorim | CiteFactor 

Licença Creative Commons