A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DE ARQUITETURA E URBANISMO: O PROJETO DE ARQUITETURA COMO REFLEXÃO NA AÇÃO

Sergio Moacir Marques, Patrícia Freitas Nerbas

Resumo


A formação do arquiteto e urbanista permeia saberes que podem ser desdobrados em diferentes ações profissionais, porém, projetar espaços é a especificidade por trás do ofício. O processo de projeto é um meio de reflexão na ação, eficaz e eficiente na percepção de problemas e formulação de hipóteses espaciais. O Trabalho de Conclusão de Curso, neste sentido, representa a síntese das competências e habilidades apreendidas durante o processo de formação, sendo o momento de transição entre o ambiente acadêmico e profissional. Discorrer sobre o potencial da atividade de projetar como meio de desenvolvimento e aferição das qualidades dos profissionais de arquitetura e urbanismo nos Trabalhos de Conclusão de Curso em Arquitetura e Urbanismo pode parecer redundante, no entanto, a necessidade de estabelecer pautas comuns aos cursos de Arquitetura e Urbanismo, em meio às crises conceituais consecutivas e relativismo predominantes, parece ser urgente face aos problemas contemporâneos.


Palavras-chave


Ensino projeto de Arquitetura Urbanismo; trabalho de final de curso; prática profissional do arquiteto e urbanista.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J. G. (2007) Dilemas do trabalho pedagógico: da iniciação ao projeto de arquitetura. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, 88(220), 531-555.

Artigas, V. (1977) Contribuição para o Relatório sobre Ensino de Arquitetura UIA – UNESCO 1974. In Associação Brasileira de Escolas de Arquitetura (Org.). Sobre o ensino da arquitetura no Brasil. São Paulo: ABEA.

Artigas, V. (1999) Caminhos da Arquitetura. São Paulo: Cosac & Naify Edicoes Ltda.

Martinez, A. C. (2000) Ensaio sobre Projeto. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Frampton, K. (1997) História crítica da Arquitetura Moderna. Barcelona: Gustavo Gili.

Gropius, W. (1972) Bauhaus: Novarquitetura. (J. Guinsburg & I. Dormien, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

Holtz, N., Tutikian, J., & Leite, D. (2000) Avaliação e compromisso. Construção e prática da avaliação institucional em uma universidade pública. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRG.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF. Recuperado em 25 setembro, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm

Mahfuz, E. (2004) Reflexões sobre a construção da forma pertinente. Arquitextos, 45(2). Recuperado em 20 setembro, 2017, de http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/ arquitextos/04.045/606.

Maragno, G. V. (2013) Quase 300 cursos de Arquitetura e Urbanismo no país: como tratar a qualidade com tanta quantidade? Algumas questões sobre qualificação e ensino no Brasil. Arquitextos, 161(07). Recuperado em 20 setembro, 2017, de http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/ 14.161/4930

Marques, S. M. (2016) O Ensino do Projeto de Arquitetura e Urbanismo no Final do Curso: uma Reflexão Propositiva para os Trabalhos Finais de Graduação. Cadernos de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 16.

Piaget, J. (1977) A tomada de consciência. São Paulo: Melhoramentos.

Resolução Nº 2, de 17 de junho de 2010. (2010). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo, alterando dispositivos da Resolução CNE/CES nº 6/2006. Brasília: Ministério da Educação.

Schön, D. A. (2000). Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem (R. C. Costa, Trad.). Artmed: Porto Alegre.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

InSitu – ISSN 2446-9696

Indexadores: DOAJLatindex ERIH PLUS | REDIB | Sumários.org | Diadorim | CiteFactor | MIAR 

Licença Creative Commons