A MEDIDA DE CENTRALIDADE POR PROXIMIDADE E SUAS RELAÇÕES COM A FORMA URBANA

Daniel Trindade Paim, Ana Paula Neto de Faria

Resumo


O presente trabalho verifica se o padrão distributivo estatístico da medida de Centralidade por Proximidade consegue descrever aspectos como compactação/fragmentação da forma da cidade e irregularidade da rede urbana. Foram selecionadas 29 cidades brasileiras de porte semelhante com padrões de vias e mancha urbana variados. Os sistemas urbanos foram descritos por seus centros de vias representados por meio de grafos, a fim de analisar as correlações entre a medida e os aspectos urbanos descritos. Observou-se que o padrão distributivo da medida é fortemente influenciado pela compacidade da forma urbana e diretamente relacionado à maior ou menor presença de vazios urbanos. Também apresentou relações com a irregularidade da rede, entendida como o nível hierárquico do traçado viário em termos conectivos. Cidades mais compactas e mais irregulares (enquanto redes) possuem melhores índices gerais com a medida. Os resultados alcançados até o momento sugerem que o uso de descritores do comportamento agregado da medida Centralidade por Proximidade pode ser um bom indicador de características mais globais da estrutura morfológica urbana.


Palavras-chave


Centralidade por Proximidade; Compacidade; Irregularidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Abdo, H.; & Dimitrov, D. (2012). The total irregularity of a graph.arXiv:1207.5267v1 [csDM].

Albertson, P. (1997). The irregularity of a graph. Ars Combinatoria, v. 46, pp. 219-225.

Alavi, Y.; Chartrand, G.; Chung, F. R. K.; Erdös, P.; Graham, R. L.; & Oellermann, O. R. (1987). Highly Irregular Graphs. In: Journal of Graph Theory, v. 11, n. 2, pp. 235-249.

Barabási, A. L.; & Albert, R. (1999). Emergence of scaling in random networks. In: Science, 286, pp. 509-512.

Bell, F. K. (1992). A note on the irregularity of graphs. Linear Algebra and its Applications. v 161, p. 45-54.

Chartrand, G.; Erdös, P.; & Oellermann, O. R. (1988). How to Define an Irregular Graph. The College Mathematical Journal 19, v. 1, p. 36-42.

Christofoletti, A. (1980). Geomorfologia. (2ª ed.). São Paulo: Editora Edgard Blücher Ltda.

Collatz, L.; & Sinogowitz, U. (1957). Spektren endlicher Graphen. Abh. Math. Sem. Univ. Hamburg, v. 21, pp. 63-77.

Dimitrov, D.; Brandt, S.; & Abdo, H. (2014). The total irregularity of a graph. Discrete Mathematics and Theoretical Computer Science. v. 16:1, 2-14, p. 201-06.

Faria, A. P. N. de. (2010). Análise configuracional da forma urbana e sua estrutura cognitiva. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Gastner, M. T.; & Newman, M. E. J. (2006). The spatial structure of networks. In: The European Physical Journal B, v. 49, pp. 247-252.

Hillier, B. (2002).A Theory of the City as Object: or, spatial laws mediate the social construction of urban space. In: Urban Design International, v. 7.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística / IBGE (2010). Censo de 2010. Recuperado em 23 de fevereiro, 2014, de

Krafta, R. (2014). Notas de aula de Morfologia Urbana. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Medeiros, V. A. S. de. (2006). Urbis Brasiliae ou sobre cidades do Brasil: inserindo assentamentos urbanos do país em investigações configuracionais comparativas. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Nikiforov, V. (2006). Eigen values and degree deviation in graphs. In: Linear Algebra and its Applications, 414, pp. 347-360.

Paim, D. T. (2015). Comportamento agregado da medida de Acessibilidade na descrição da morfologia urbana. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Polidori, M. C.; & Krafta, R. (2003, maio). Crescimento urbano - fragmentação e sustentabilidade. Anais X Encontro Nacional da ANPUR. Belo Horizonte, MG, Brasil.

Sicsú, A. L.; & Dana, S. (2012). Estatística aplicada: análise exploratória de dados. São Paulo: Editora Saraiva.

Sharpe, N. R.; Veaux, R. D. De; & Velleman, P. F. (2011).Estatística aplicada: administração, economia e negócios (Traduzido por Lori Viali). Porto Alegre: Bookman.

Watts, D. J., & Strogatz, S. H. (1998). Collective dynamics of “small-world” networks. In: Nature, n. 393. pp. 440-442.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INDEXADORES: DOAJ | Diadorim | REDIB | Latindex | Sumários.org | ERIHPLUS | CiteFactor | MIAR

Licença Creative Commons