CASA: UM NOVO OLHAR PARA UMA ANTIGA FORMA

Dely Bentes, Elizabeth Sá Barreto Lopes Nogueira

Resumo


Nos últimos trinta anos é possível identificar um retorno à utilização da forma arquetípica da casa nos projetos de residências. Com frequência cada vez maior, exemplos dessa tipologia vêm sendo produzidos por reconhecidos arquitetos da atualidade. A densidade simbólica da forma original da casa jamais foi perdida mesmo durante os ascéticos anos dominados pelo movimento moderno. As cidades nunca deixaram de ver surgir construções que materializam a imagem da Cabana Primitiva vitruviana: o triângulo apoiado sobre o retângulo. A novidade agora é vê-las nas publicações destinadas aos arquitetos. Nesse sentido, o que nos cumpre nesse artigo é investigar as possíveis origens dessa retomada. De que maneira a forma reconhecível da casa teria voltado à cena principal da arquitetura contemporânea? Ancorados na produção recente dos escritórios Aires Mateus e Herzog e De Meuron, buscaremos especular algumas possibilidades que possam ter impulsionado o novo olhar sobre a casa.


Palavras-chave


Casa; Cabana Primitiva; Aires Mateus; Herzog e De Meuron.

Texto completo:

PDF

Referências


Ábalos, Iñaki. (2001). A Boa Vida: visita guiada às casas da modernidade. Barcelona: Editora Gustavo Gili.

Freud, Sigmund. Freud. (2010). (1930-1936): O mal-estar na civilização e outros textos. São Paulo: Companhia das Letras.

_____________. (2012). Luto e Melancolia. São Paulo: Cosac Naify.

Kapp, Silke. (2005). Moradia e Contradições do Projeto Moderno. Interpretar arquitetura, Belo Horizonte, v. 6, n. 8.

Müller, Fábio. Herzog & De Meuron: entre o uniforme e a nudez. Arquitextos, São Paulo, ano 02, n. 020.04, Vitruvius, jan. 2002. http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/02.020/814.Acesso em 18/06/2016

Pallasmaa, Juhani. (2006). A geometria do sentimento: um olhar sobre a fenomenologia da arquitetura in Nesbitt, Kate (org.) Uma Nova Agenda para a Arquitetura. Antologia Teórica 1965-1995. São Paulo: Cosac Naify.

Rapoport, Amos. (1982). The meaning of the built environment: a nonverbal communication approach. Arizona: The University of Arizona Press.

Rossi, Aldo. (1995). A Arquitetura da cidade. São Paulo: Martins Fontes.

Rybczynski, Witold. (1986). Casa: pequena história de uma ideia. Rio de Janeiro: Record.

____________. (2003). A casa de Adão no Paraíso: a ideia da cabana primitiva na história da Arquitetura. São Paulo: Perspectiva.

Segre, Roberto. (1999). Habitat Latino-Americano. Fogo e sombra, opulência e precariedade. Cadernos de Arquitetura Ritter dos Reis. V.1, abr.1999. Porto Alegre: Faculdades Integradas Ritter dos Reis.

Serapião, Fernando. https://www.herzogdemeuron.com/index/practice/writings/conversations/vischer- 1.html. Acesso em 22/06/2016

Venturi, Robert. (1995). Complexidade e contradição na Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes.

Venturi, Robert; Scott Brown, Denise; Izenour, Steven. (2003). Aprendendo com Las Vegas: o simbolismo (esquecido) da Forma Arquitetônica. São Paulo: Cosac & Naify.

Venturi, Scott Brown & Associates. (1992). On Houses and Housing. Architectural Monograph, nº 21. Londres: Academy Editions/ St. Martins´s Press,.

Vidler, Anthony. (1992). The Architectural Uncanny. Essays in the modern unhomely. Massachucets: The MIT Press.

Wisnik, Guilherme. (2015). O silêncio e a Sombra. In Novaes, Adauto. (org.). Mutações: O Silêncio e a Prosa do Mundo. São Paulo: Edições SESC.

Teses:

Diez, Fernando. Crise de autenticidade, mudanças na produção da arquitetura Argentina 1990-2002. Tese (Doutorado em arquitetura) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura. Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura. 2005

Entrevistas:

https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/os-aires-mateus-sao-dois-mas-sao-um-1467461. Acesso em 22/06/2016

https://www.herzogdemeuron.com/index/practice/writings/conversations/vischer-1.html. Acesso em 22/06/2016


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INDEXADORES: DOAJ | Diadorim | REDIB | Latindex | Sumários.org | ERIHPLUS | CiteFactor | MIAR

Licença Creative Commons