A Cor como Elemento de Composição no Projeto Paisagístico

Mônica Queiroz Neder, Maria Elisa Feghali

Resumo


Existem diferentes aspectos em relação ao estudo das cores, principalmente na aplicação em projetos. Entre o conhecimento técnico e a criação, pairam dúvidas sobre a aplicação das cores nas paisagens criadas. A definição das abordagens sobre o assunto e a necessidade de seu conhecimento é importante para a delimitação das placas de cor e, consequentemente, a escolha dos vegetais. A aplicação das cores começa de forma embrionária, imaginativa, quando da visita ao sítio e ganha contornos diferentes, à medida que avança no pensamento projetual. Ela aparece nas entranhas da representação gráfica, na seleção dos vegetais e nas suas proporções. Acreditamos que com este estudo, demonstramos mais um método para a definição de placas de cor e seleção de vegetais. O diferencial nele é a possibilidade de explorar a aplicação de cor na criação de paisagens que estimulem a percepção humana, não apenas para promover o bem-estar, mas também para estimular a visualidade naqueles que possuem dificuldades na percepção visual.


Palavras-chave


método de projeto; paisagem; cor

Texto completo:

PDF

Referências


ABBUD, B. Vegetação e projeto: estudo de caso em São Paulo com as reflexões de um arquiteto. São Paulo. Dissertação de mestrado, FAU/USP, 1986.

ALBERS, Joseph. Interaction of Color. New Haven and London: Yale University Press, 1976.

BIRREN, Faber Grammar of Color; a basic treatise on the color system of Albert H. Munsell. New York: Van Nostrand Reinhold Company, 1969.

CHACEL, Fernando. Depoimento. [Janeiro, 2014]. São Paulo: Portal Vitruvius. Entrevista concedida a Antônio Agenor Barbosa. Disponível em Acesso em: 30 abr. 2016.

FEGHALI, M.E. O ensino de projeto: desafios e possibilidades em arquitetura paisagística. Tese de doutorado. Prourb, FAU/UFRJ, 2013.

FARAH, I. Aborização Pública e Desenho Urbano na cidade do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Prourb, FAU/UFRJ, 1997.

Holanda, S. B. Visão do Paraíso. Editora José Olímpio. Rio de Janeiro, 1959.

ITTEN, J. Art de la Couleur. Paris: Édition Abrégée, 1985.

JACQUES, L. Nos jardins de Burle Marx. Editora Perspectiva, São Paulo, 1994.

KANDINSKY, W. Do espiritual na arte e na pintura em particular. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MACEDO, S. S.. A vegetação como elemento de projeto. Paisagem e Ambiente, FAUUSP, São Paulo, v. IV, 1992.

NOBREGA, M. Cartas do Brasil e mais escritos apud Holanda, Sergio B. in Visão do Paraíso. Editora José Olímpio. Rio de Janeiro, 1959.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INDEXADORES: DOAJ | Diadorim | REDIB | Latindex | Sumários.org | ERIHPLUS | CiteFactor | MIAR

Licença Creative Commons