Por que empresas de mídia insistem que não são empresas de mídia, por que estão erradas e por que isso importa

Philip Napoli, Robyn Caplan

Resumo


Uma posição comum entre plataformas de mídia social e agregadores de conteúdo é sua resistência em ser caracterizados como empresas de mídia. Ao contrário, empresas como Google, Facebook e Twitter tem constantemente insistido que deveriam ser pensadas como puramente empresas de tecnologia. Este artigo critica a opinião que estas plataformas são empresas de tecnologias ao invés de empresas de mídia, explora seus argumentos subjacentes e considera as implicações políticas, legais e regulatórias associadas com o aceite ou recusa desta opinião. Como o artigo ilustra, não é apenas uma distinção semântica, dado que o histórico de classificação precisa de tecnologias e serviços da comunicação possui profundas implicações em como estas tecnologias e serviços da comunicação são avaliadas por decisores políticos e tribunais.


Palavras-chave


Algoritmos; Mídias sociais; Políticas de mídia; Jornalismo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Diretório e Indexadores

Directory of Open Access Journals

 

 

DOAJ (Directory of Open Access Journals): https://doaj.org/toc/2317-4919

Latindex: http://www.latindex.unam.mx/latindex/ficha?folio=24643

Seer/Ibict: http://seer.ibict.br/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=3032&Itemid=109

Livre!: https://portalnuclear.cnen.gov.br/livre/Inicial.asp

Sumarios.org: http://sumarios.org/revistas/par%C3%A1graforevista-cient%C3%ADfica-de-comunica%C3%A7%C3%A3o-social-da-fiam-faam